blog d'apontamentos

30.9.05

pensamentos mais-que-imperfeitos (9)

Outono

1

As folhas confundem-se
com as pedras da calçada:
Outono nos pés.

2

Como é que se chama
a árvore que contemplo?
Seu nome é Outono.
8:20 da tarde | 0 comentários |

Onde me leio, releio e tresleio (3)

Para além do homem,
(…)
11. Uns sofrem, outros julgam que são felizes.
(…)
107. Eis um homem realizado, um homem completo: acabamos de o enterrar.

Casimiro de Brito, Arte da Respiração (Aforismos) Publicações D. Quixote

“A Arte da Respiração (não existiria) sem o longo exílio interior.” – Casimiro de Brito em Palavra de Poeta – Portugal, Denira Rozário, civilização brasileira

---> aforismos ---> micronarrativa

Uns sofrem, outros julgam que são felizes, ele limitava-se a viver.

Só quando o enterraram se sentiu um homem completo, realizado.

L
6:49 da tarde | 0 comentários |

pensamentos mais que imperfeitos (8)

Bem feitas as contas,
só me tenho a mim e
algumas obrigações.
9:38 da manhã | 0 comentários |

29.9.05

pensamentos mais-que-imperfeitos (7)

Beberico chá,
escrevinho alguns poemas,
e a tarde passa.
3:52 da tarde | 0 comentários |

Onde me leio, releio e tresleio (2)

HISTÓRIA DE ALGUMAS VIDAS

Noite. Um silvo no ar.
Ninguém, na estação. E o trem
passa sem parar.

Guilherme de Almeida

--->

Triste figura

É noite. Silêncio.
Acordo sobressaltado
a tremer de frio.

L
12:26 da tarde | 0 comentários |

28.9.05

Pensamentos mais-que-imperfeitos (6)

Intercontinental

Nem há um instante
que estive aí contigo
sem daqui sair.

--->

Mergulho ainda
mais na leitura: o vento
assobia lá fora.
8:30 da tarde | 0 comentários |

Onde me leio, releio e tresleio (1)

Esta manhã esqueci-me
de tomar chá. Sinto ainda
a boca perfumada
dos teus beijos.


Casimiro de Brito - Poemas Mínimos-15

--->

Reflexo voluntário

Esta manhã não
bebi nem comi. Na boca
o sabor de ti.

L
12:25 da tarde | 0 comentários |

27.9.05

Pensamentos mais-que-imperfeitos (5)

Uma rã mergulha
na folha onde escrevo.
Salpicos de tinta.
9:40 da tarde | 0 comentários |

Poemas e Poetas (5)

O velho tanque -
Uma rã mergulha,
Barulho de água.

Basho

---> ---> ---> --->
7:18 da tarde | 0 comentários |

Pensamentos mais-que-imperfeitos (4)

O vento lá fora
despenteia as árvores:
as folhas caem.

--->

As folhas perdem
a cor, esquecem-se que
são árvore, caem.

--->

Uma folha sem cor:
por um breve instante
esqueço quem fui.

--->

A palmeira baloiça
ao vento de Outono. Risco
outra vez o verso.

--->

O doce sabor
da uva na boca. Como é
linda a minha filha!
11:02 da manhã | 0 comentários |

Poemas e Poetas (4)

Nos olhos da libélula
reflectem-se
montanhas distantes.

(Issa)

---> --->
10:55 da manhã | 0 comentários |

26.9.05

Poemas e Poetas (3)

Um Dos Capítulos

Ainda te falta
dizer isto: que nem tudo
o que veio
chegou por acaso. Que há
flores que de ti
dependem, que foste
tu que deixaste
algumas lâmpadas
acesas. Que há
na brancura
do papel alguns
sinais de tinta
indecifráveis. E
que esse
é apenas
um dos capítulos do livro
em que tudo
se lê e nada
está escrito.

Albano Martins
Escrito a Vermelho

---> ---> --->
2:42 da tarde | 1 comentários |

Pensamentos mais-que-imperfeitos (3)

Prestar atenção é esvaziar-me.
12:07 da tarde | 0 comentários |

25.9.05

Pensamentos mais-que-imperfeitos (2)

É tão difícil ver-me, em qualquer espelho, com ou sem metáforas.
9:15 da manhã | 0 comentários |

Poemas e Poetas (2)

Já tão cansada desta vida pergunto-me como será a outra?
mais tranquila, mais segura?
dormente a minha parece estar,
olho a volta onde estou?
que mundo será este?
se não tivesse vivido o que vivi e o que sofri,
quem seria eu?
onde iria buscar toda esta vontade de correr,
os meus dedos que querem escrever, e tanto,
sou louca ou infantil?
ou por momentos deixo correr o meu pensamento,
e mostro ao mundo, o que me consome aos poucos,
a muitos aflige aos que dizem ser eu criança, insegura, imatura!
o que tanto escrevo?
deprimo-me,
deixem-me ...
deixem-me viver no meu mundo,
tornar falas todas as palavras ,
deixem-me no meu mundo doce e infantil, mas meu.

Sónia Sultuane --->
9:10 da manhã | 0 comentários |

23.9.05

Poemas e Poetas (1)

Reflexivo


O que não escrevi, calou-me.
O que não fiz, partiu-me.
O que não senti, doeu-se.
O que não vivi, morreu-se.
O que adiei, adeu-se.

Affonso Romano de Sant'Anna --->
12:13 da tarde | 0 comentários |

Pensamentos mais-que-imperfeitos (1)

Acontece-me muitas vezes sentir que só eu compreendo o que estou a dizer. Por mais alto que fale. Por isso calo-me cada vez mais, e no silêncio escuto-me a mim próprio.
11:11 da manhã | 0 comentários |

20.9.05

Experiência

1, 2, 3...
11:25 da manhã | 1 comentários |