blog d'apontamentos

13.12.05

O homem, o autor, a obra, os blogs e a pessoa virtual: uma breve explicação


[O autor é, em mim, menor que o homem, e espero que a obra seja maior que ambos.]

De 20 de Agosto de 2002 a 14 de Julho de 2005 editei o blog mil e uma peguenas histórias, cumprindo dessa forma o meu objectivo e o meu projecto inicial, escrever mil e uma pequenas histórias. Paralelamente, a partir de Março de 2003, editei também o Ene Coisas, um blog a que chamei literário mas onde, ao contrário do anterior - um projecto exclusivamente literário, onde se podia apenas encontrar uma obra e um autor – eu surgia como pessoa (virtual).

Esta divisão autor/pessoa, em que o nome do autor se tornou o nome do blogger (da pessoa virtual), ainda que tenha correspondido a uma clara e justificada necessidade de partilha e de comunicação, incomodou-me sempre. Este desconforto, nunca ultrapassado, e expresso em várias tentativas de encerrar o Ene Coisas, levou a que logo que o fim do mil e uma pequenas histórias estivesse à vista, me apressasse a encerrar o Ene Coisas.

Fechados os dois blogs, a exposição e notoriedade que me incomodavam tiveram o seu fim e, confesso, apagar-me, por assim dizer, deu-me um grande alívio. O que eu não previ foi que o blog se tornara para mim um verdadeiro método de escrita e que enquanto instrumento, excluída a exposição da pessoa e a notoriedade do blogger, se me tinha tornado necessário.

Aceitei tal facto e criei então um blog quase secreto, como o designei, com material de autor, mas em que este não era identificado. Uma espécie de gato com rabo de fora, como acabei por perceber.

Foi Na estrada de Damasco que tive a revelação, entre outras, de que era inútil esconder-me e, terminado esse projecto, que durou três meses, criei e passei a editar um blog, e depois dois, com o mesmo nome, Blog d’apontamentos. São dois blogs de Luís Ene, duas faces, a do autor e a da pessoa (virtual), e parece-me que estão para ficar.

Esta é a explicação que sinto devida, a ti JPT, a mim mesmo e a quem dela precisar.
9:52 da manhã

3 Comentários:

ó ene, não era preciso. lá no estaminé só sorria ao ter encontrado estes recantos. via o fotoblogs (bela foto esta daqui, em particular a caneta altaneira)
:)
Eu cá gosto de te ler, onde quer que escrevas!

Bjk grande

Adicione um comentário